CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

segunda-feira, 2 de março de 2009

investigações sobre a natureza ondulatória da angústia [12]

ou

"o meu direito ao não-grito"

ou

"a hora da estrela cadente"

ou

"treze títulos(?)"

ou

"a morte necessária em plena vida"

ou

"o retorno do susto"

ou

"nietzsche é um capeta"

ou

"falta-me um pouco de 'mais do mesmo'"

ou

"borges blefou"

ou

"borges errou"

ou

"borges medrou"

ou

"impossível me livrar deles"

ou

"o quanto posso resistir a sós"

ou

"dos assédios"

ou

"da dança e da abertura do ser"

ou


simplesmente: do fato. do fato de nietzsche e todos esses que sempre aparecem pelos meus posts me assombrarem, esses fantasmas de correntes nos meus pés com bola de ferro a me arrastarem, esses meus caríssimos de quem não abro e não sei abrir mão. simplesmente do fato de eu perceber que a angústia, por enquanto, é o que sobressai em mim. do simples fato de eu, para minha salvação, ter me encontrado comigo mesmo. como beethoven, esse homem que perdeu todo o som e teve que produzi-lo a partir do silêncio, esse silêncio é o que eu talvez tenha ouvido depois de tanto tempo. o quanto suporto estar a sós?, e a pergunta me põe diante de mim mesmo, para adiante. esse beethoven alienado a contragosto, esse homem do silêncio forçado, esse silêncio que jorrou em Grosse Fugel, na Nona e na Sonate für das Hammerklavier, essas fontes de som viril, inimagináveis à época. e até hoje nos parecem um assombro. pelo simples fato de dançar ter acontecido, de eu ter me aberto sem que eu soubesse o som. pelo simples fato de talvez ser justamente essa ignorância que me salvará um dia de me tornar surdo ao que eu não ouço - e isso é um paradoxo que só eu entendo bem.
e tudo volta, perfeito anel de serpente que morde a própria cauda.
ou
"borges não sabe de nada"

0 comentários: