CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

beethoven [1]: os nãos solares

a surdez de beethoven, progressiva, representa, neste homem de espírito, a progressiva liberação do gesto. "não" e "redenção" rimam e aliteram entre si porque são dissonantes, inoportunos com o caráter impeditivo das negativas. beethoven faz a experiência de ser anacrônico, de não pertencer a tempo nenhum, experiência da privação. mas o que é original, e originário, na forma como a privação é experimentada, assimilada e efetivada por beethoven é que ela é provedora, criativa. (heidegger: "[diante do abismo] caímos para o alto"; joão cabral de melo neto: "cultivar o deserto/ como um pomar às avessas"; robervaldo linhares: "sou rio fluente/ rindo da dor".) beethoven, o homem que fez do não a matéria-prima do fim da vida. beethoven que não evitou, mas amou seu não, levou-o às últimas consequências (outra vez: amor fati.), beethoven cuja arte não recalca, mas que também não sai do círculo, porque o faz ser aquilo que ele é, beethoven que se pôs diante do abismo, que foi até as profundezas sem no entanto se afogar. beethoven, o homem que encontra, no abismo, o sol.

1 comentários:

beto,,, disse...

bonito pra caramba isso.